Sugestão de Roteiro de Viagem 02: Costa da Califórnia

Pacific Road – 01 – Monterey

Considero San Diego o melhor ponto de partida para percorrer a Costa da Califórnia e chegar até San Francisco. Voando por  Chicago – Denver, chegamos a San Diego, onde locamos um carro e fizemos os 808 km ( 502 milhas ) , pela cênica Pacific Coast Highway ou Califórnia State Route, durante oito dias, viajando poucas horas diárias e parando em lugares fantásticos.


San Diego

Partindo de San Diego, uma meia hora ao norte do centro dessa cidade,  por uma estrada muito movimentada, certamente porque era verão, chegamos a La Jolla, que tem praias famosas da região.  O passeio é interessante, o Pacífico é bonito de ver – como o são todos os oceanos – as casas mostram jardins bem cuidados e belos arranjos florais. A Prospect Street , a rua mais admirada, tem um comércio de grifes conhecidas e muitas galerias de arte. 



La Jolla – detalhe

“Soube  da existência de San Juan Capistrano pela Valéria, minha nora, que me contou da old mission e da beleza dos seus jardins. Quando revisei o plano de viagem à Califórnia, incluí essa pequena cidade, com  35 mil habitantes, no roteiro. Tivemos a sorte de encontrar um bom hotel logo na chegada. Encontramos, ainda, vários restaurantes na rua principal. Escolhemos um italiano, com música ao vivo – bem agradável. No dia seguinte, cedo, fomos visitar a Old Mission ( www.missionsjc.com ) . Ainda na frente dos prédios, antigos e majestosos na sua simplicidade, admirei a altura e a estética das diferentes palmeiras que ornamentam o lugar desde as calçadas.”

San Juan Capistrano – Antiga Missão



“Fundada pelo espanhol, nascido na Ilha de Mallorca e hoje nome de rua em várias cidades americanas, Padre Junipero Serra , em novembro de 1776, Capistrano guarda  –  além de objetos originais, como os sinos usados para chamar a população a participar de diferentes eventos religiosos e comunitários; os documentos que relatam a história das missões na Costa da Califórnia; e obras de arte, como algumas esculturas e pinturas de muito boa qualidade e conservação – muitas lendas sobre fantasmas que percorrem a cidade e a própria missão.”




Detalhes dos jardins de San Juan Capistrano



“Foram os jardins, no entanto, a razão principal do meu encantamento pelo lugar. Inicialmente, eram fontes de sustento com a plantação de frutas, verduras, ervas perfumadas e/ou medicinais- como sálvia, alecrim, lavanda e manjericao.  Essas plantas tradicionais se mantêm nos jardins, embora sejam as flores que dominem os espaços, principalmente as rosas . Entre as árvores de vários países, o Brasil está representado por um belo e antigo Jacarandá.




Jardins da Missão 


Interessante saber que são homens e mulheres da localidade que, com trabalho voluntário, anualmente plantam, replantam, cuidam e conservam os fotogênicos jardins. Todas as quartas-feiras, pela manhã, estão lá os voluntários jardinando – um trabalho que aprendi a valorizar muito depois do ano passado, quando ajudei minha cunhada a plantar mais de trezentas plantinhas num jardim público, em Michigan. Foi  com esse trabalho também que descobri o quanto Advil é bom para dor nas pernas e nas costas”...http://correndomundo.blogspot.com.br/search/label/La%20Jolla%20e%20San%20Juan%20Capistrano




San Juan Capistrano

Nossa próxima parada foi  Santa Bárbara, uma tranquila cidade, com cerca de 100 mil habitantes, situada no sul da Califórnia e originada da Santa Barbara Mission, a décima missão construída pelos espanhóis ( 1786) e a única que nunca deixou de ser ocupada. A fachada clássica  da Mission foi projetada por um padre italiano, Antonio Ripoll, que se inspirou num arquiteto italiano ( 27 a.C.). As estátuas são de madeira entalhada. O interior é neoclássico com colunas que imitam mármore.O conjunto impressiona.




Santa Bárbara – Jardins Sagrados

Muitas vezes chamada Rainha das Missões, Santa Bárbara é a mais visitada de todo o estado. Seu estilo passou a ser conhecido como o estilo das missões, tanto pelas suas duas torres, quanto pela mistura de romano, mourisco e espanhol. A estrutura atual, entretanto, tomou essa forma após a reconstrução, que foi necessária depois do terremoto ocorrido em 1812. Na frente da missão, há um grande espaço com plantas, uma bonita fonte e algumas estátuas, incluindo a de seu fundador.  O lugar é bem interessante para passear e descansar, antes de voltar às movimentadas estradas da Costa.



Santa Bárbara


Depois de Santa Bárbara, decidimos dormir em Solvang. Inicialmente pensávamos em continua pela 101. ir até Buelton e, de lá, percorrer os 6 km que nos levaria a essa pequena e bonita cidade. O Santo GPS decidiu diferente: tomamos a State Route 154, com pouco movimento, paisagens lindas  e vista do lago Caxumah e chegamos a Solvang cujo nome significa campos ensolarados. Parece ter sido esse nome, dado pelos dinamarqueses que se estabeleceram inicialmente numa fazenda, próxima à Missão de Santa Inês, e que atraíram outros dinamarqueses que se dispuseram a seguir um projeto arquitetônico, diferenciado das fazendas locais, e  a manter elementos culturais da Dinamarca.

Centrinho de Solvang 


Solvang é uma cidade muito limpa e florida e que tem, no seu encantador centrinho, uma  homenagem a Hans Christian Andersen ( 1875 ) , o dinamarquês que se tornou conhecido através seus contos infantis, como A Pequena Sereia , O Patinho Feio e O Soldadinho de Chumbo. Seu povo  é gentil e educado – o que pode ser observado no  trânsito tranquilo, onde  até as bicicletas dão preferência aos pedestres. 


Big Sur – estrada secundária 


Foi lindo viajar pela  belíssima carretera 01 – a mais fotogênica da Costa – entre Monterrey e Carmel-vale uma reserva maior de tempo para seu percurso. Para-se muitas vezes por puro encantamento. Monterrey é fantástico, mas Carmel rouba a cena. Como não pernoitar na cidade em que foi prefeito meu ídolo  Clint Eastwood, ator e diretor de inesquecíveis filmes? Sobre Carmel, pode-se ler muito mais em: http://correndomundo.blogspot.com.br/search/label/Carmel


Carmel

Carmel  e 17- Mile Drive ( Pebble Beach ) ocuparam nosso tempo além do previsto. Por essa razão, nossa visita a Monterey , cidade onde sabemos que há muito o que ver, foi rápida e superficial – apenas almoçamos lá e ficamos poucas horas. Na Costa da Califórnia, encontrei muitas tendas, vendendo produtos orgânicos que me pareceram de muito boa qualidade. Frutas, como maçãs, peras e uvas, e legumes. Foi o Estado onde mais encontrei preocupações com alimentação e propaganda de alimentos saudáveis e naturais – incluindo sucos  e sorvetes deliciosos. Antes de chegar em São Francisco, dormimos em Sam Mateo.


Los Angeles visto da rodovia


Com a decisão de não dormir em Los Angeles – cidade  com que eu antipatizo – optamos por dormir em Santa Mônica, cidade localizada no condado de Los Angeles, no alto de um penhasco, com vista privilegiada para a Baía do mesmo nome. Santa Mônica é propícia  a compras. Uma tentação! Além de grandes shoppings onde estão as mais famosas lojas de departamento do país e onde se encontram também valiosos antiquários e galerias de arte. 



Haight – Ashbury : berço do Paz e Amor


“Ao longo do Oceano Pacífico e da Baía que lhe dá o nome, a cidade de San Francisco, que tem cerca de um milhão de habitantes e harmoniosa combinação entre natureza e arquitetura, encanta à primeira vista. E esse encanto só aumenta à medida que a gente a conhece melhor. Há muito o que ver – .e vimos mil  coisas interessantes, como a  Lombard Street. Fantástica. Trata-se de uma colina, bastante íngreme, em que os carros tinham muita dificuldade de transitar. Em 1920, a solução encontrada foi refazer o trecho, próximo ao topo do Russian Hill, acrescentando-lhe oito curvas, com ajardinamento de hortênsias, nos intervalos. Hoje, os carros só podem descer essa que é chamada a rua mais sinuosa do mundo – os pedestres usam uma escadaria.”



Lombard Street

San Francisco é uma das poucas cidades dos Estados Unidos onde se dispensar o uso de carro para nela locomover-se. Tem ótimo sistema de transporte público. Entregamos o carro, alugado em San Diego, assim que chegamos. Mais do que usar transporte público, contamos com a gentileza, o carinho e o companheirismo de meu primo, Claudius Ribeiro Ramos, antigo morador da cidade e apaixonado por ela.


Golden Gate – ida para Sausalito

De São Francisco, fizemos um voo para Portland, a criativa e humanizada cidade do Estado de Oregon. Havíamos feito uma viagem marcante, inesquecível – a melhor das tantas que fizemos nos Estados Unidos – país em que Ronald e eu,moramos, na primavera e no verão, durante cinco inesquecíveis anos. Ver http://correndomundo.blogspot.com.br/search/label/San%20Francisco


Santa Bárbara

Há muito mais o que ver-viver-admirar nesta magnífica e deslumbrante Costa da Califórnia, como San Simeón ( só não tive vontade de ver o Castelo Hearst, o famoso delírio de um milionário ) , Santa Cruz, Pebbe Beach as baías e a enseada  de Jade Cove…e muito mais. San Francisco está entre as minhas dez cidades favoritas no mundo. A Costa da Califórnia é roteiro recomendado sempre.

Pacific Road


“Quando vier a Primavera, 
Se eu já estiver morto, 
As flores florirão da mesma maneira 
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada. 
A realidade não precisa de mim.”

Fernando Pessoa

Emblemático lugar
  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *