Siracusa e suas Grandes Atrações

      Nenhum comentário em Siracusa e suas Grandes Atrações
Siracusa
Acredito que temos – todos nós – um conhecido, ao menos de nome,  cuja cidade natal é Siracusa. Refiro-me ao matemático, astrônomo, físico, engenheiro e inventor grego  Arquimedes, um dos principais cientistas da Antiguidade. Ele morreu numa batalha, entre gregos e romanos, em 211 a.C. Foi pelas ruas de Siracusa que Arquimedes saiu – nu segundo contam – gritando Eureka, Eureka! (Descobri, Descobri!) após decifrar um enigma a pedido do rei.  



Riqueza arqueológica de Siracusa

Hoje, a cidade tem cerca de 130 mil habitantes e turistas que nela transitam o tempo todo – muitos sem imaginar que ela foi fundada por colonos Corintios, em 734 a.C. Siracusa exibe o maior teatro grego da Sicilia, muitos monumentos e muitas lendas e histórias, que se  confundem mutuamente, sendo a Fonte de Aretusa a mais mencionada e conhecida.



Admiráveis colunas

 

Após ter sido uma importante cidade – estado da Grécia, que chegou a competir, na antiguidade, em tamanho e população, com Roma, Cartago e Atenas,  Siracusa, através de conquistas sofridas , passou primeiro para os romanos, depois para os árabes, para os  bizantinos, normanos e aragoneses. Como acontece nessas situações, cada um desses povos deixou sua contribuição na arte e cultura.

Detalhe da Catedral de Siracusa

Fala-se muito, entretanto,  na harmonia de estilos que caracteriza a cidade e que pode ser observada especialmente na Catedral, iniciada em 1728, na ilha de Ortígia, cuja fachada barroca oculta o Templo de Atena ( séc. V a.C.). Siracusa, que é bastante citada como a mais bela cidade do mundo grego, continua belíssima com a visão do mar, do céu e dos restos monumentais que testemunham seu passado.

Encontro frequente com vestígios da História


Ortígia, pequena e charmosa ilha, abriga o centro histórico de Siracusa. Está conectada com a parte continental por três pontes. Tem um quilômetro quadrado pleno de história e beleza – pode ser percorrida na metade de um dia.  Nela estão  as Ruínas do Templo de Apolo ( século VI a.C.) , o mais antigo dos templos dóricos; a  Catedral, iniciada pelo arquiteto Andrea Palma; um pequeno museu que registra a história dos templos; e a Fonte de Aretusa, de que trataremos a seguir.

Fonte de Aretusa
A ninfa Aretusa era uma donzela de Artemis, deusa da caça. Um dia, ao tomar banho nua no rio, ela sentiu-se envolvida e acariciada pelas águas, que se transformaram num belo homem. Era Alfeu, um deus mitológico aquático. Para fugir do amor de Alfeu, Aretusa pede a Artemis que a transforme em fonte. A deusa atende a ela. 
Detalhe da Fonte
Para os gregos, Aretusa é um fio de água que começa na Grécia, atravessa o mar Jônico e ressurge na ilha de Ortígia. Alfeu, porém, não desistiu e a perseguiu pelo mar. Os dois se encontraram em Siracusa. A lenda tem, a partir daqui, diferentes continuidades… mas, em todas elas, Alfeu não consegue seu intento : fazer com que Aretusa se apaixone por ele.

Fonte de Aretusa

No Parque Arqueológico de Neapolis – outra visita importante – está o magnífico Teatro Grego e a caverna artificial, conhecida como Orelha de Dionísio. Foi Michelangelo da Caravaggio que, durante uma visita a Siracusa, em 1586, deu-lhe esse nome. Conta a lenda que foi Dionísio que a mandou construir como cárcere para prisioneiros de guerra. A  caverna é muito particular por sua acústica que amplia qualquer som de seu interior – o que permitia, assim, escutarem as conversas dos prisioneiros.

Já identificado!

Em Siracusa, assim como em Palermo, Noto, Monreale e Catânia, as construções evidenciam a paixão siciliana por ornamentos, herança do envolvimento da ilha com o mundo árabe. A grandiosidade é constantemente observada. Não consigo ver na Sicilia a mesma Itália que conheço tão bem. Há traços italianos, á óbvio, como há traços de tantos outros povos – isso, para mim, só amplia o fascínio desta Ilha, que vejo como nação.

Detalhe da Catedral


” Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer,
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura…

Siracusa

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa a meio deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram tudo e também não podem olhar
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.

Fernando Pessoa

“… fecham a vista à chave…”

” …nossa única riqueza é ver…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *