A Histórica Évora, no Alentejo Central – 1a. Parte

Cerâmica de Évora

Em Évora há, sim, uma atmosfera que não se encontra em outro qualquer lugar; Évora tem, sim, uma presença constante de História nas suas ruas e praças, em cada pedra ou sombra.” José Saramago, Viagem a Portugal.


Torre do Palácio de D. Manuel em Évora

Évora está a 153 km de Lisboa – de onde pode ser facilmente acessada de trem, ônibus ou carro. Indo de trem, é melhor partir da Estação Oriente porque, se partir de Santa Apolônia, terá que fazer troca de trem em Oriente. Abriga ao redor de 60 mil habitantes. É a capital do Alentejo Central.

Material de divulgação da cidade

Alentejo, que significa mais além do rio Tejo, divide-se em Alentejo Central; Alentejo Litoral; Alto Alentejo e Baixo Alentejo. Ao Alentejo Central, pertence o distrito de Évora – e a cidade do mesmo nome, assim como outros 13 municípios, entre eles, Arraiolos, Estremoz, Borba e Mourão.

Detalhe do Centro Histórico de Évora

Évora, em 25 de novembro de 1986, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, especialmente em razão da grande quantidade de monumentos artísticos nela existentes, desde a era romana até a idade de ouro de Portugal – séculos XV e XVI. Sua arquitetura influenciou cidades brasileiras, como Salvador/BA.

Templo Romano de Évora 

Évora é membro da Rede das Cidades Mais Antigas da Europa. Ocupa uma colina da planície alentejana e é conhecida como uma das mais bem preservadas cidades de Portugal. Está dentro de muralhas do século XIV e guarda verdadeiros tesouros, como a Catedral, o Templo Romano, a Praça Giraldo, a Igreja de São Francisco e a Capela dos ossos.

Catedral de Évora

Conhecida como Catedral de Évora, a Basílica Sé de Nossa Senhora da Assunção é a maior catedral medieval e um dos maiores monumentos de arquitetura religiosa de Portugal. Foi construída entre 1283 e 1308 ( há muita controvérsia sobre essas datas ) provavelmente no lugar onde antes existiu uma mesquita.  Foi na Catedral da Sé que as bandeiras da frota de Vasco da Gama foram benzidas antes da sua viagem em 1497.

Porta principal da Catedral de Évora

A entrada na Catedral é feita por um pórtico, ladeado por apóstolos, esculpidos em pedra, do século XIV. A fachada é construída em granito de cor rosa, com duas torres assimétricas do século XVI e muitas janelas distribuídas de forma irregular. Tem um acabamento harmonioso apesar de as torres não serem da mesma época e, consequentemente, de conjugar elementos românicos e góticos. Possui capelas laterais belíssimas.

Igreja de São Francisco : Capela-mor

A Igreja de São Francisco, construída no século XV e princípios do século XVI, possui dez capelas laterais com muito dourado e muita beleza. Na sua construção, entre outros arquitetos, trabalhou Afonso de Pallos, de origem andaluza, que havia trabalhado na Catedral de Sevilha. A ele se atribui a inclusão de elementos mudejares nesta igreja. Percebe-se nela, claramente, influências góticas e árabes.

Capela dos Ossos

Junto à Igreja de São Francisco, está a Capela dos Ossos, um dos mais conhecidos monumentos de Évora. Foi construída entre o final do século XVI e o início do século XVII por três monges que, segundo contam, quiseram transmitir a mensagem de que a vida é transitória. À entrada, uma mensagem macabra: “ Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos “. Ossos e caveiras decoram paredes e pilares. Na República Checa, há também uma capela como essa, que pode ser vista aqui: http://correndomundo.blogspot.com.br/search/label/Kutn%C3%A1%20Hora

Capela dos Ossos

Além da Catedral de Évora, da Igreja de São Francisco e da Capela dos Ossos, há outras igrejas e conventos que podem ser visitados, ou por fé, ou por considerá-los museus muito bem cuidados, como: a Igreja de São João, a Igreja do Carmo, a Igreja da Misericórdia e a Igreja e o Convento da Graça.

Igreja da Graça

Saindo um pouco das religiosas, há, em Évora, outras tantas atrações que se pode admirar, como o Palácio Dom Manuel, o Aqueduto da Água de Prata, o Jardim Público, o Museu de Évora, o Largo da Porta de Moura, a Praça do Giraldo, a Galeria das Damas, o Templo Romano, as Termas Romanas e a Universidade de Évora.

Igreja de São Francisco

Continua com : A Histórica Évora, no Alentejo Central – 2a. Parte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *